sábado, 29 de dezembro de 2012

Testemunho da passagem por Angola / Cangumbe

São Francisco de Assis, transmite-nos que “Ninguém é suficiente perfeito, que não possa aprender com o outro e, ninguém é totalmente destituído de valores que não possa ensinar algo ao seu irmão.”

 A missão em Angola reforçou ainda mais esta mensagem, proporcionando-me aprendizagens de grande valor a nível pessoal e espiritual.

 A casa mãe das FMM - Franciscanas Missionárias de Maria em Luanda é de facto um centro maternal, que proporciona afetividade, segurança, que nos transmite de modo tranquilo e natural espaços de comunicação com o Pai, respeito pelo outro (em especial pelos mais velhos), palavras de conforto e de valorização, uma vivência comunitária de partilha e de diálogo, disponibilidade imediata para o outro, tudo o que é necessário numa família. As bases para um bom crescimento, os alicerces que nos permitem depois caminhar com segurança e amor.

A organização da casa, onde cada qual participa de acordo com as suas capacidades, permite alimentar um sentimento de pertença que culmina num sorriso constante em cada rosto.

 
Nesta casa, vivem mulheres guerreiras da paz e luz, com histórias de vida maravilhosas!
Transmitem-nos com imensa força que o tempo não tem idade, pois estamos sempre a tempo de dar, receber e partilhar. Foi extraordinário ver e sentir a força do Ser Humano, onde a idade cronológica marca um caminho quase de um século e a idade do coração é marcada pela juventude motivada e alegre, rumo a novas aprendizagens.
Em Luanda partilhámos (Eu e a Els) conhecimentos de informática e reflexologia dos pés, para com as irmãs, conhecimentos esses que podem assim ser reproduzidos. Outras partilhas sucederam com alguns catequistas ao nível da aprendizagem da língua inglesa e do apoio ao estudo em matemática.

Em Cangumbe, local da nossa missão, muito há para aprender, explorar, sentir, viver! Aqui, sentimos o coração de África que nos chama a estar presentes!
Cangumbe, o seu acesso é dificultado pelo maus estado da via existente, a 90 km de Luena, aproximadamente 4h de condução, mas em viatura de todo o terrreno. Presentemente, já está em funcionamento o comboio, que uma vez por semana faz o trajeto de Cangumbe para a cidade (Luena).
A comunidade encontra-se assim, muito isolada, estando privada de muitos dos bens essenciais para a sua subsistência, tais como àgua (o rio mais próximo fica a 12 km), luz, alimentação pouco diversificada (à base de mandioca). Condições que dificultam a ação dos serviços que existem, tais como Escola e Centro de Saúde, pois apesar de todos os esforços das equipas de trabalho há necessidades básicas a serem colmatadas para ser possível efetuar um bom trabalho.
O chowé é a língua de Cangumbe, fomos presenteadas pelos seus residentes, em especial, os catequistas na integração da sua língua, fazendo-nos sentir bem-vindas a esta casa.
Respira-se nesta comunidade a força do ser Humano, de viver as dificuldades diárias e constantes, sempre com um sorriso de esperança. Aqui as nossas atividades incidiram no apoio ao estudo e iniciação à costura às crianças e jovens, sendo extraordinário o seu empenhamento. Aulas de inglês e alfabetização de adultos, marcadas pela forte presença e motivação.
No Centro de Saúde iniciaram-se algumas sessões de esclarecimento sobre a importância da alimentação na prevenção de doenças e apoio aos utentes através de massagens terapêuticas.
A presença de Deus é bem patente nesta terra, que perante as adversidades da vida, comunidade que reside à aproximadamente 10 anos naquele local, que regressou das matas após o fim da guerra e traz consigo a força da fé que passa de geração em geração. Aqui os catequistas mantêm diariamente a realização da celebração da palavra, realizada por estes, pois o pároco apenas tem possibilidade de quinzenalmente realizar a celebração da Eucaristia nesta povoação, dada a distância e os acessos à mesma. As crianças, jovens e toda a comunidade, têm agora a oportunidade de conhecer melhor a Deus, com a presença da congregação das FMM (desde maio de 2012), destacando-se pela sua simplicidade e disponibilidade de ajuda ao outro.  

Em Cangumbe é necessária a força do Amor, para fortalecer o caminho traçado e dar inicio a novas estradas. A força está no Ser Humano, pois todos temos dons que podemos colocar à disponibilidade do outro. Este caminho faz-se de mãos dadas com Deus, que nos acompanha e guia.

Ana Poupino (9 de Outubro a 10 de Novembro 2012)

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Testemunho do encontro de dia 9 de Dezembro 2012

No passado dia 9 de Dezembro de 2012 esteve reunido em Lisboa, na casa das Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, o grupo Boluka Kua Zua; um grupo de leigos voluntários missionários reunidos para mais um encontro de formação e partilha, rumo à missão. 

A temática abordada centrou-se no estudo biblico, com orientação da Ir. Celeste; e possibilitou-nos conhecer ainda melhor a palavra de Deus, e desta forma fazê-la presente no dia-a-dia das nossas vidas.





Descobrimos que a palavra de Deus manifesta-se em quatro importantes pilares: voz, rosto, casa e caminho! A voz é revelação, o rosto Jesus Cristo, a igreja é a casa e o caminho a missão! Missão que nos guiará nos caminhos do mundo e da palavra!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

2º Encontro formativo de voluntariado missionário

Amigos Missionários,
Dia 9 de Dezembro encontramo-nos em mais um momento de partilha de experiências que nos enriquecem a todos! Iniciamos neste ciclo formativo o curso de iniciação bíblica, que permitirá fortalecer a caminhada de cada um de nós!



Este encontro irá realizar-se em Lisboa, mais concretamente na Comunidade das Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, com inicio previsto para as 10 horas.
Que este domingo proporcione uma  nova luz missionária nesta caminhada!
Abraço de Luz

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

AO TERMINAR A MISSÃO


A oração e a ação de cada um transforma e dá força à pessoa que atua, na presença, no gesto, na vivência. No passo que se dá de amar o outro, no ser que cativa e eternamente se sentirá cativado, eis-me aqui, como luz pequenina no mundo. Estas palavras são minhas, sentidas antes de partir para esta experiência como leiga no voluntariado missionário. Agora que a vivência da missão está a chegar ao fim, sinto que Deus está em mim e, é algo maravilhoso. Pôs-me à prova, testei alguns limites da minha existência e consegui perceber até onde me consigo dar e o que na realidade tenho para dar. Estou pronta para o que me espera, ou talvez não esteja, mas acredito que Deus não me faltará.
Por terra angolana escrevo esta minha partilha da experiência que vivi, o caminho está a chegar ao fim, um fim com início na certeza, mesmo sem saber como e de que maneira, pois o desejo de realizar é forte. Somos um pequeno grupo com grande força, acredito que juntos, no futuro bons projetos vão ser feitos, para todas as nossas vivências de missão através das Franciscanas Missionárias de Maria.
Fui a primeira a partir este ano de 2012, serei a primeira a chegar e os passos que arrisquei dar estão contados para o regresso a casa, à vida quotidiana, esta que não será a mesma, pelo menos na perspetiva do olhar o outro, igual a nós com as suas imensas diferenças, escutar com o coração, ver o mundo com os olhos de Deus e acreditar que é possível mais, melhor, mesmo com todas as dificuldades, fragilidades, modo de ser, nosso e do outro que se cruza no nosso caminho de missão como leigos enviados pela Igreja ao serviço do outro, a evangelizar, seja aqui ou em qualquer outro lugar. Assim, só posso sentir o meu coração sorrir, com a alegria inexplicável de ter cumprido um pouco mais do Evangelho em que acredito, “Ide!...” (Lc 10, 3).
Ao longo dos meus 33 dias em terras angolanas, pude visitar e viver lugares, também situações, cultura e pessoas. Estive três semanas na cidade de Mbanza Congo, o centro da “minha missão”, com os alunos da 5ª e 6ª classe da Escola Primária Santo António, uma aventura, por exemplo, iniciaram 82 alunos o seminário de formação bíblica e terminaram 46 alunos, para além de tudo o que me ensinaram os próprios alunos, foi para mim um verdadeiro curso, como praticar pedagogia, ensino, disciplina e em tudo colocar carinho e amizade. Recordo o telefonema de uma aluna a perguntar-me se tinha chegado bem, se a viagem tinha corrido bem, fiquei completamente embebecida com a ternura demonstrada. São sinais de Deus que acalma pensamentos e sentimentos menos positivos, dando-nos aconchego. Também pude conhecer e viver outro projeto missionário, através dos Franciscanos, um centro de acolhimento a crianças e jovens até aos 18 anos de idade, com histórias de vida incríveis e inacreditáveis. Foi uma bênção nesta minha experiência missionária, o carinho, amizade, companheirismo que me ofereceram aquelas crianças e jovens é algo difícil de esquecer e não marcar a pessoa que sou. Senti vontade de mudar o mundo, sabendo que não consigo, senti vontade de fazer de novo, sabendo que não é possível, senti vontade de ficar e dar-me, sabendo cada vez mais que não tenho tamanha capacidade… Pude com tudo isto sentir e viver os frutos do Espírito Santo, cada pessoa é presença do Espírito Santo nela e a caridade, o amor, a ternura, o afeto, a alegria, a partilha, a fraternidade, a bondade, a paciência são obras do Espirito Santo, por tudo sinto a beleza de viver a vida mesmo nas situações menos aprazíveis da própria vivência da vida.
No dia que completei três semanas em Mbanza Congo regressei a Luanda, para no dia seguinte partir para conhecer um local de peregrinação “Mamã Muxima”, um lugar lindo, que dá paz, serenidade, onde a oração para mim faz muito sentido e a procura do que Deus quer para mim é pensado e repensado na busca incessante de perceber se o que eu quero é ou não o mesmo que Deus quer e onde me leva toda esta surdez que possuo, grita-me Senhor estou surda! Quero apenas sentir que realizo o projeto do dom da vida, que para mim é apenas ser feliz.
                Que o agradecimento seja considerado por todas as pessoas que fazem parte da minha vida e desta minha experiência, em cada palavra que escrevi, em cada gesto que fiz, em toda a minha presença, porque simplesmente não tenho como agradecer por tudo, apenas posso dizer obrigado. 

Lúcia Reis Guerreiro
Em Angola de 30 de Julho a 31 de Agosto de 2012

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Voluntárias Missionárias em Moçambique

  

Partimos a 18 de Agosto de 2012 rumo a terras Africanas, com a única certeza de que as Irmãs Franciscanas Missionarias de Maria (FMM) nos esperariam em Maputo. Desconhecíamos o local para onde iríamos em missão… Assim, não sabíamos o que nos esperava e por isso procurámos estar preparadas para todos os cenários possíveis. Levámos na bagagem material escolar, vestuário para crianças e mulheres, jogos, brinquedos e manuais que considerávamos importantes para trabalhar em diversas áreas. No coração levámos esperança, alegria, motivação e curiosidade.
Na chegada a Maputo ficámos sem parte da bagagem mas isso não nos abalou; estávamos confiantes que a mesma iria chegar nas devidas condições. O que acabou por acontecer dias depois…
Na viagem do aeroporto até a casa (FMM) fomos tendo o primeiro contacto com as pessoas e a cidade. As Irmãs souberam acolher-nos muito bem. Levaram-nos a conhecer o nosso novo lar e antes de irmos descansar até ao dia seguinte acompanharam-nos também numa refeição reconfortante. A nossa casa era modesta, muito tranquila, acolhedora e nunca nos faltou nada. Em Maputo soubemos que iríamos para Manga (Beira) mas… só daí a uma semana...
Aquando a estadia em Maputo deparámo-nos com novas realidades, que não nos eram familiares, do ponto de vista urbano, demográfico e social. Encontrámos uma cidade cheia de edifícios, ruas e avenidas, bem como, abundante em diferentes raças, culturas e religiões. Jamais esqueceremos, o primeiro impacto que estas imagens tiveram em nós.
Fomos também conhecer a comunidade Namaacha e o trabalho lá desenvolvido. Ai Namaacha… ficaste em nosso coração… as crianças, as adolescentes e as Irmãs com quem partilhámos vida e afectos… que saudades… Uma realidade bem diferente da cidade de Maputo, notando-se um contraste evidente quer a nível da organização e edificação urbana, quer a nível social e demográfico.
Enquanto estivemos com as Irmãs procurámos sempre integrarmo-nos nas suas actividades, nomeadamente nos momentos de oração na casa, na eucaristia e noutras celebrações na comunidade, nas refeições e nos momentos de lazer. Nas Irmãs sentimos a alegria que é dar a vida pelos irmãos sem esperar nada em troca. Essa alegria era também manifestada e transparecida nos seus cânticos e nas suas danças. Sentimo-nos abençoadas por Deus pela experiência que estávamos a viver em Maputo. Os grandes contrastes do luxo e da pobreza, dos espaços urbanos e dos rurais, não eram nada perante a nossa vivência em comunidade.
Após um dia, cansativo mas alegre, de viagem em Machibombo chegámos à Beira, onde fomos também bem acolhidas pelas Irmãs FMM. Estávamos ansiosas por iniciar o nosso trabalho. Assim, no dia seguinte e após uma noite bem descansada fomos conhecer as obras das FMM naquela comunidade. Existe um Internato que acolhe e acompanha jovens e adolescentes do sexo feminino, um Centro de Saúde que presta cuidados nas mais diversas valências, uma Maternidade e um Centro de Nutrição.
O nosso trabalho visou essencialmente prestar apoio no Centro de Nutrição. Quando percebemos o seu modo de funcionamento, criámos um plano de intervenção com objectivo de trabalhar diversas áreas, nomeadamente, na prevenção do HIV/Sida, na formação das mães em Puericultura, nos cuidados de higiene e de saúde a terem consigo próprias, com as suas crianças e nos seus lares. Tentámos também dar continuidade ao que já se fazia, como a hora do conto, onde umas mães ensinavam as outras na leitura e também na escrita. Ao tentarmos colocar em prática o nosso plano de intervenção, constatámos que era de todo impossível criar mudanças em tão pouco tempo… Deparámo-nos com uma realidade para a qual já tínhamos reflectido em grupo antes de partirmos em missão. De facto, nós devemos ir ao ritmo do povo que nos acolhe. Não seria em três semanas que poderíamos dar ferramentas às mamãs para que depois elas conseguissem por si só dar continuidade aquando a nossa ausência. Também não haveria missionários previstos para aquela zona nos próximos tempos que o pudessem fazer. Assim, alterámos tudo e resolvemos ESTAR com as mamãs e as crianças, através de encontros em grupo, momentos de escrita e de leitura, da hora do desenho, do canto e dos jogos. Procurámos conhecer a vida de cada um, auxiliámos nos cuidados a ter na saúde e na alimentação das crianças, fomos a casa dessas famílias para também perceber como vivem e interagem com os restantes membros da família e acompanhámos algumas crianças ao Centro de Saúde.
Enquanto visitámos as casas das “nossas” famílias fomos tendo contacto com as várias realidades dos bairros por onde passávamos. Bairros que fervilham de crianças; milhares de crianças. As pessoas que encontrávamos eram de uma forma geral simpáticas e afáveis; os jovens e as crianças sorridentes pediam-nos ansiosamente para que tirássemos fotografias.
Os bairros eram habitados por uma população muito pobre, que cresce sem qualquer plano de ordenamento, de forma espontânea e sem infra-estruturas. Ruas estreitas, caminhos e vielas, com águas paradas, misturadas com lixo, onde predominam casas de caniço, pois são habitações, cujas paredes e tetos são constituídas com madeira e zinco. Muitas destas habitações, não têm acesso a água canalizada, no seu interior ou exterior. Abastecem-se essencialmente em poços ou furos, muitas das vezes sem condições mínimas de tratamento, o que agrava a situação sanitária. As condições de saneamento são muito precárias, não existe um sistema de saneamento, não possuem qualquer tipo de casa de banho, nem sequer uma latrina fora de casa (uma das características do meio rural).
E… um mês passou depressa! Tínhamos que voltar e a saudade dos “nossos” meninos, das “nossas” mamãs e das Irmãs FMM aumentava (e aumenta) de dia para dia. Chegava a hora da despedida e muitas lágrimas correram.
 Foi uma experiência que jamais esqueceremos. Sentimos que as pessoas que passaram por nós marcaram muito mais a nossa vida do que nós as marcámos. Sem dúvida que recebemos muito mais do que demos e, com toda a convicção sentimos que viemos cheios do Espírito e do Amor de Deus, manifestando-se também, no forte desejo de partilhar esse Amor com quem passa por nós. Conforme, cantamos muitas vezes: “Sou feliz, porque a vida é partilhar; mais do que receber a alegria está no dar…”
Em conversa com uma das Irmãs concluímos que fomos apenas “espreitar”.
A Deus queremos dizer “KANIMAMBO” pelo dom da vida.
(Julieta e Sofia – Leigas Voluntárias Missionárias - FMM)

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Vem conhecer a tua vocação, o sonho de felicidade que Deus quer construir contigo!

ONDE? Na Comunidade de Acolhimento a Jovens Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, Rua João Paulo II, 530 Arcozelo - Barcelos.

O QUÊ? Encontros no primeiro fim-de-semana de cada mês, para jovens (raparigas e rapazes), a partir dos 14 anos, que queiram discernir o sonho de Deus para eles: vida matrimonial, vida consagrada, vida sacerdotal ou vida laical. Todos os encontros começam no 1º dia às 21h e terminam com o almoço do último dia.

QUAIS OS TEMAS? Sinais do amor de Deus, Respostas ao amor de Deus: matrimónio, vida consagrada, vida laical, sacerdócio.

OBJETIVOS: Conhecer-se; Dialogar com Deus; Aprofundar a Palavra de Deus; Conhecer os diferentes caminhos cristãos de felicidade.

TRAZER: Boa disposição; Vontade de partilhar; Bíblia; Caneta e papel; Algum alimento (ex: hortaliça, cenouras, batatas, arroz, leite, etc.) para confeccionar as refeições do fim-de-semana;
E algum amigo!

Se quiseres fazer uma experiência de fé em Jesus Cristo, junta-te a nós. Datas dos encontros (1º fim-de semana do mês):

Novembro: de 2 a 4;
Dezembro: de 30 Novembro a 2 de Dezembro;
Janeiro: de 4 a 6
Fevereiro: de 1 a 3
Março: de 1 a 3
Abril: de 5 a 7
Maio: de 3 a 5
Junho: de 31 de Maio a 2 de Junho

CONTACTAR: Irmã Ana Luísa dos Anjos Prego, franciscana missionária de Maria
Telemóvel: 912714108; Tel: 253822871; Correio eletrónico: analuisaprego@gmail.com

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Novo ciclo de formação missionária - 20 Outubro

No Dia 20 Outubro, das 10h às 18h irá iniciar em Odiáxere o novo ciclo de Formação Missionária.
Se tiveres interessado ou conheceres algum amigo que queira abraçar este projeto, envia um email para bolukakuazua@gmail.com. Assim poderás ter acesso a mais informação e proceder à tua inscrição (ficha de inscrição, em impresso próprio).
Até breve amigos missionários!

Missão rumo a Angola!!!

Novos Missionários irão partir hoje para Angola, mais concretamente, Cangumbe!
Ana e Els levam o coração repleto de alegria e confiança!
A permanência na missão é de 1 a 5 meses.
Boa Missão Amigas, Estamos Juntos!
Abraço missionário

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Regresso da Missão

Caros Amigos,

Em breve publicaremos os testemunhos das missionárias de Angola (Lúcia) e Moçambique (Julieta e Sofia).

Todas trazem o coração repleto de grandes emoções e com muito para partilhar!

Abraço Missionário!!!

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Testemunho na Missão em Cachopo-Tavira

Foi uma semana excecional a que passei no Lar de Idosos do Centro Social do Cachopo. 






Fui muito bem recebida pelo casal Martins e por todos os funcionários que rapidamente me fizeram sentir como e fosse da casa.











Trabalhar com idosos não é nada fácil, é tudo muito rotineiro, exige muito trabalho de equipa! 





















Com os idosos, rapidamente passei a ser uma "prima"! 




Confrontada com a visão futurista da minha própria velhice, nada fácil nem pacífica de se encarar, tudo aquilo que parecia dificuldade inicial de relação com os idosos foi-se esbatendo - afinal não era preciso muito, bastou estar disponível para ajudar e sobretudo para ouvir as histórias, as adivinhas, as canções, memórias de vida já vividas!




É verdade...somos uma enorme arca de memórias!!!! 
Cristina Mendes (Missionária)

sábado, 18 de agosto de 2012

Missão em Moçambique

Iniciou hoje mais uma missão, desta vez em Moçambique, com as nossas amigas Julieta e Sofia! 

Estas missionárias, levam o coração repleto de entusiasmo e amor, que lhes é tão caraterístico, e que tornará a missão ainda mais magnifica.

A missão será na cidade da Beira por 1 mês, onde irão conhecer um povo extraordinariamente belo e onde a partilha será uma conquista diária!

Boa Sorte Amigas, um abraço missionário!

Estamos Juntos!

domingo, 29 de julho de 2012

Missão em Angola

Hoje, a nossa amiga Lúcia iniciou a rota missionária até Angola.
Ficará um mês junto destes irmãos!
Será uma missão desafiante e motivadora!
O seu sorriso genuíno e o seu coração cheio de luz, levarão muito amor e esperança!
Estamos contigo!

Abraço de luz, força e Amizade missionária

terça-feira, 24 de julho de 2012

Missão em Portugal

MISSÃO EM PORTUGAL- TAVIRA- CACHOPO - 
ANO 2012 - JULHO 

Missionária: Cristina Mendes (3 semanas)